TETO
14 agosto, 2018

Segregação social e o direito à cidade.

Chegou o Carnaval da Bahia. Ruas cheias de ritmos, sons, encantos, axés e pessoas. Muitas pessoas. Dizem por aí que o nosso Carnaval é o mais democrático de todos. Nele qualquer um ou uma poderia curtir a festa, mesclando toda a diversidade que pinta a nossa Bahia.

É triste perceber que a realidade tem mostrado algo bem diferente. O Carnaval só tem sido mais uma ocasião para apresentar o grande hiato de desigualdade do nosso território. Cordas separam brancas/os e negras/os e a presença dos camarotes apontam que a “cidade alta” continua lá, oprimindo e perpetuando distâncias.Um dos aspectos do direito à cidade é o do livre acesso, locomoção e ocupação dos espaços públicos. O Carnaval em Salvador segue uma lógica bastante controversa para a concretização desse direito humano. Durante a grande festa, as vias públicas são loteadas por grandes empresas, que restringem, em quase sua totalidade, a possibilidade das pessoas que não possuem condições financeiras e/ou vontade para comprar a entrada de um camarote, usufruírem de uma festa que é vendida como popular. Pontos de ônibus são retirados, vias de acesso possuem suas rotas reduzidas e alteradas, marcas de produtos das patrocinadoras impõem o seu uso exclusivo: quanto de cidadania resta depois de tantas restrições?

Mas as limitações de direitos não param por aí. A indústria da festa mascara atrocidades quando o tema é o das relações de trabalho. Pessoas negras e que fazem parte das classes mais baixas são cotidianamente colocadas em uma relação de servidão, ocupando espaços que remuneram muito mal e com péssimas condições de trabalho. Cordeiros são um exemplo disso. Recebem um valor aproximado de 30 reais por dia e a garantia de xingamentos, maus tratos e muita segregação.

Existe somente um Carnaval em Salvador? As divisões bem demarcadas têm mostrado que não. Enquanto existirem cordas e camarotes, mais e mais contrastes perpetuarão a lógica de desigualdade social e racial das grandes cidades.

Luã Lessa
Gestor da sede Bahia
TETO – Brasil

 

Sugestões de Leitura:

Com trabalho precário, cordeiros vivem riscos para ‘extra’ no carnaval.
Natureza da função é questionada como símbolo de exclusão racial e social. Especialistas chamam serviço de degradante; empresários defendem ramo.

Baiana System - Criamos um mundo particular para nos proteger do visível.

A ‘evolução’ do carnaval
Agora, o que acho que a gente precisa considerar é que Carnaval é um espaço de disputa, uma arena de conflitos e eles mudam. A  presença de um camarote no espaço público gera conflito; a corda da maneira que nos últimos anos se impôs, sem nenhum tipo de regra, gera conflito.

Documentário dirigido por Amaranta Cesar e Ana Rosa Marques, lança um olhar sobre os cerca de 80 mil homens e mulheres que trabalham segurando as cordas dos blocos de carnaval em Salvador.